30 de nov de 2016

Em falta

Olá a todos...sim podem brigar pois estou em falta MESMO com o blog. A vida está corrida e confesso que tenho dado mais atenção pro facebook do que pra este espaço, mas o blog como sempre está sendo super bem acessado e tenho recebido muitos comentários e mensagens no face, e-mails e tudo mais então bóra desenferrujar.
Primeira novidade (e uma das razões do sumiço)....Meu segundinho nasceu :) Khaled chegou nesse mundo louco no sábado retrasado dia 19 enorme e cheio de saúde graças a Deus \o/. Ainda estou me recuperando, apesar de ter sido parto "normal", sabemos que de normal é só o nome mesmo rs
Junto com o nascimento do Khaled estamos lidando com o ciúme do maior então está sendo muito tenso, mas fora isso tudo bem e só felicidade.
Enfim, gostaria da ajudinha de vocês pros próximos posts..criei uma enquete que você pode acessar clicando aqui para saber quais temas vocês querem que a gente aborde por aqui. Creio que assim ficará melhor até pra eu saber como recomeçar a escrever, faz tanto tempo que estou perdida rs.
Fico no aguardo da ajudinha de vocês respondendo a enquete e um pouquinho de paciência pra quem me mandou e-mail ou inbox no facebook que aos poucos vou colocando tudo em dia.
Para quem quiser uma interação mais rápida e direta, venham fazer parte dos nossos grupos do facebook: o grupo misto formado por brasileiras (os) e argelinos (as) e o grupo exclusivo para mulheres, onde tratamos alguns assuntos com mais cumplicidade e liberdade.

Espero as respostas pra já ir formulando os próximos posts....e deixo com vocês a imagem abaixo que descreve o momento pelo qual estou passando...os meus 2 herdeiros rs...até breve



11 de ago de 2016

Um pouco do outro lado

Olá pessoal, nosso último post rendeu...gente falando que nunca na vida iria morar na Argélia pq isso aquilo e aquilo outro, pessoas horrorizadas, estarrecidas rs e as mais diversas reações.
Pois bem, o post de hoje vem mostrar um pouco o outro lado, lembrando que a Argélia é o maior país da África, não é tão grande quanto o Brasil porém não podemos menosprezar. Assim como aqui existem cidades/ estados / regiões bons e ruins..e um ponto X que eu sempre digo pra quem pensa em morar lá é..pesquise, conheça, fuce tudo o que puder sobre onde você possivelmente vai morar, isso é o que vai ditar se você vai ter uma vida "aceitável" ou não, sim tem regiões boas mas tem muitas regiões precárias, muitas mesmo.
Regiões desprovidas de saúde pública, sem escolas perto, médicos, comércios, gás canalizado, água tratada, muitos vilarejos no meio do nada, muitos lugares rurais...então pesquisem muito, não poupem tempo nem esforço pra conhecer melhor onde vocês vão morar. Morar perto da Capital o de grandes cidades não é garantia de nada, pois nesses locais também existem regiões isoladas.
Falando da minha experiência, precisei 2x ir no hospital público em Constantine e fui se não me engano em 2 clínicas particulares fazer os exames para o processo de residência, em todos fui atendida muito bem. No sistema público encontrei um bom atendimento (melhor que no sistema público aqui de Curitiba na área de emergência) e hospitais em boas condições de limpeza e tudo mais.
Várias regiões tem os chamados hospitais de referência nas mais diversas áreas e vale a pena checar se a região que você vai morar tem fácil acesso a algum deles.
Abaixo vou deixar o vídeo do Hospital Universitário de Constantine (que é um desses hospitais referência) e que atende todas as especialidades, inclusive emergências e a parte de maternidade.



Então, pra finalizar..lá assim como aqui existe o lado bom e o ruim, por isso mesmo temos que nos precaver, verificar, pesquisar, pesar os prós e contras. Nada nessa vida vai ser 100% bom ou ruim..mas ainda mais uma vez reforçando o que eu já disse, pesquisar é fundamental.

25 de jul de 2016

Acompanhamento e Pré Natal - Argélia

Olá a todos, como eu tinha dito no post anterior, desta vez eu conto com a colaboração de uma das meninas que mora na Argélia que é a Nadhia (quem participa dos grupos já a conhece bem)...resumindo bem resumindo a Nadhia é brasileira, filha de argelino e atualmente está morando lá depois que casou, porém ela antes de morar esteve várias vezes na Argélia visitando a família e tudo mais, sem contar que tem francês fluente e entende/fala um pouco do árabe (o que facilita e muuuito a vida de residente).
Nossa intenção de fazer esse relato é realmente expor como as coisas lá funcionam pra quem nunca pensou no assunto ou não tem muitas fontes de onde conseguir isso.
Maternidade sabemos que é coisa delicada, ainda mais quando se trata do primeiro filho, não vou fazer nenhuma comparação com o Brasil neste post pois o Brasil é grande e como temos boas saúdes públicas também sei que temos as precárias. Eu moro em Curitiba e o parâmetro que tenho é esse, não sei como funcionam nas outras cidades mas aqui fazer pré natal pelo sus pelo menos pra mim foi antes e está sendo agora maravilhoso..nada a reclamar (nada mesmo)...mas enfim vamos ao relato :)

"Bom meninas com menos 1 mês de casada e faltando ainda uns 15 dias para a monstra descer, comecei a sentir umas cólicas que não passavam de jeito nenhum e uns sintomas como se fosse a tpm, a Mony falava que poderia ser gravidez mas na minha cabeça era o stress com o começo do Ramadan chegando, stress com marido porque esses argelinos não são faceis rs..... começou o Ramadan e os primeiros dias foram muito difíceis eu me sentia fraca sem força pra nada, umas tonturas e a Mony falou come não faz jejum até a monstra vir porque se você estiver grávida poderá fazer mal ao bebê e assim fiz até a data de menstruar....chegou o dia e nada de descer, fui tentando ficar calma pra ver se vinha porque ansiedade demais também atrasa, mas não adiantou rs.
Com 2 dias de atraso comprei um teste de farmácia que na verdade nem parece um rsrs fiz e para minha surpresa positivo!!! Na hora foi um choque, mas depois quando passa a surpresa e tudo fui parar pra pensar e agora? O que eu faço? Como funciona aqui?
 Fui atras de tudo para saber como proceder e ai me desesperei kkkk. Dois dias depois de fazer o teste de farmacia, fui na ginecologista (ginecologista homem é muito díficil de encontrar aqui e se encontrar mais difícil ainda é o seu habibi deixar vc consultar com um ), o  consultório fica em prédio residencial, assim como muitos consultórios de todas as especialidades, onde quase sempre as entradas são imundas porque morador nenhum limpa, ai vc imagina depois, não tem lixeira separada na rua para lixo hospitalar e lixo comum. 
Essa primeira gineco confirmou a gravidez e me receitou 3 vitaminas, não pesou, não mediu a pressão e nem me pediu exames para saber como estava a saúde, enfim não senti firmeza rsrs me pediu para voltar com 10 dias para refazer a ecografia. Em geral os médicos aqui acham "tudo normal" mesmo eu falando o que eu sentia fui ignorada, ... a consulta e uma ecografia custaram o equivalente a 53,28 R$ (1.800,00 dinares). Depois dos 10 dias voltei "na mesma" gineco mas ao entrar no consultório havia outra médica, que também não senti firmeza rs pedi os exames e fui ignorada, refiz a eco e pedi para escutar o coração mas ela enrolou e só disse que ia me falar quantos batimento, fiquei muito chateada, mas não tava com saco pra discutir, dessa vez a recepcionista (não acho que seja enfermeira rs) pesou e mediu a pressão que estava baixa e mesmo assim me liberou, o  valor dessa consulta e a eco foi o mesmo da consulta anterior. 
Quatro dias depois acordei mais fraca que os outros dias, fui novamente ao médico mas dessa vez falei para o meu marido que iriamos em outro porque não gostei de nenhuma das anteriores, todas muito superficiais, você fala o que está sentindo e elas nem ai. Dessa vez fomos em uma clínica (clínicas geralmente tem as entradas e área interna comuns limpas) e ao chegarmos na recepção enquanto conversava-mos com a atendente, chega uma mulher e sem pedir licença ou aguardar a sua vez começa a perguntar o que ela precisa à atendente (péssimo hábito deles, em TODOS os lugares são assim, não sabem esperar a vez) mas como meu marido não tem muita paciência rsrs deu um chega pra lá bem dado na dona rsrs.... enfim fomos atendidos e encaminhados a sala de espera. Bem essa terceira gineco que fui,  ja senti um pouco mais de confiança, ela era bem humorada e estava mais disposta a tirar as dúvidas e deu um pouco mais de atenção ao que eu estava sentindo e passou a lista de exames no final da consulta porque eu pedi, fiz novamente a ecografia, pedi para escultar o coração e fui prontamente atendida :) foi a melhor coisa que ja escutei. Essa terceira consulta ficou pelo equivalente a 59,08 (2.000,00 dinares). Passemos ao laboratório rs vamos começar com o valor, fiz exames de tireóide, toxoplasmose, glicose, coagulação do sangue, rubéola e umas outras aqui que não sei o que significa rs a médica passou também de hiv, hepatite... mas não fiz, pois tinha pouco tempo que havia feito. Todos esses exames ficaram pelo equivalente a 168,38 R$ (5.700,00 dinares), eu paguei na recepção e a própria moça que me atendeu, foi quem colheu o material, detalhe sem luva!!! Com a mão que pegou em dinheiro, já foi pegando amarrando o cordão no meu braço, como eu não gosto de agulhas virei o rosto mas achei que ela ia colocar as luvas, que nada, quando ela terminou olhei pro lado ela não tinha usado!!! :( 
Outro detalhe do laboratório é que a sala onde fazem as análises fica aberta de frente a sala de espera onde qualquer um tem acesso, uma bagunça de material para análise, caderno, folhas tudo misturado.... bom até agora foi isso rsrs eu particularmente não gostei muito de nenhum serviço, maaaaas é o que tenho :( ."

ainda entrando nos detalhes, eu tenho tentado ajudar a Nadhia a achar um lugar minimamente razoável para o parto (mas tá difícil..isso pq é na região de Alger, imaginem nos vilarejos) e nos deparamos com uma curiosidade (péssima)...99% das clínicas NÃO TEM chuveiro..isso mesmo...sem chuveiro para se lavar após o parto..enfim, nem Freud explica.

Abaixo algumas fotos..confesso que tentei achar fotos dos quartos pra vocês terem uma idéia mas não achei nenhuma que fosse boa..todas horríveis com gente empilhada e sujeira por tudo então não vou colocar.

em cima o teste que temos aqui e embaixo o argelino, ñ tem mais moderno ou menos, é esse e pronto rs



modelos de clínicas e maternidades


quarto de clínica particular, nesse quarto é feito o parto e é também aonde a mulher fica internada

O custo de um parto normal é aproximadamente de 40 a 50 mil dinares (R$ 1.180,00 e 1.475,00), cesariana em torno de 70 mil (R$ 2.067,00)...e no caso de parto normal se quiser a peridual (anestesia) tem que pagar a parte...esse valor é da clínica, fora isso tem o custo do médico, anestesista e etc.
Existe o serviço público também porém por exemplo no caso da peridual em parto normal é necessário se pagar a parte também.

Essas são algumas informações que conseguimos, no decorrer da gravidez da Nadhia (que está entrando no terceiro mês ainda) a gente vai fazendo posts novos.
Espero que dê pra vocês terem uma pequena noção de como funciona o sistema lá, se tiverem alguma dúvida podem deixar nos cometários que tentaremos buscar :) , até a próxima.



18 de jul de 2016

Ela só da bolo :P (mas tem novidade)

Sim, o ela do título sou eu rs sempre prometo estar mais ativa, escrever mais e etc etc etc mas o cansaço e a falta de tempo não me deixam.
Por isso mesmo, chamei reforço rs aguardem que o próximo post será com parceria, escrito a 4 mãos.
Você é mãe? Pensa em ser? Não pensa nisso mas sabe que será bem provável que seja num futuro próximo? Tem relação com um argelino? Não sabe se vão morar aqui ou lá?
Perfeito...esse próximo post é pra você. Vamos escrever sobre como é descobrir uma gravidez, fazer o teste de farmácia, os custos, os procedimentos, o quem tem o que não tem igual aqui, como são os médicos, os hospitais......enfim quase tudo de tudo sobre engravidar e fazer o pré natal.
Ahhhhh mas isso é muito batido, qualquer uma sabe, tem no site do ministério da saúde......tem não, sabe pq? Pq nossa gravidez será em solo ARGELINO...siiiiiiim temos nossa gravidíssima lá na Argélia que irá nos relatar tudo..então fique de olho que se algum dia você pensa em ser mãe e se está enrolada com um argelino a possibilidade de ter o bebê lá existe e é grande, portanto...utilidade pública.

No mais, continuamos ativamente nos grupos, por e-mail enfim..nos veremos em breve falando de coisas boas (ou não rs) se bem que tratando de bebês tudo é bom..mesmo quando tudo é meio precário, caro, se quiser anestesia tem que pagar a parte (mesmo sendo hospital público), as maternidades não tem chuveiro.....ops....esses e outros detalhes ficam pro próximo post...fiquem de olho ;)

12 de mai de 2016

Conversão ao islam por "amor", uso do véu e mudança de costumes

Olá pessoal, sumida como sempre porém como sempre, prometo que vou estar mais ativa rs.
Ramadan se aproximando (menos de 1 mês) e resolvi então tocar em um dos assuntos que foram pedidos pra virar post nos grupos, a conversão em nome do "amor".
Como sempre vou dar minha opinião pessoal. Acho que todo tipo de conversão é válida, desde que ela seja feita com consciência e por amor sim, amor a Allah, ao profetas, ao Alcorão, a religião como um todo e não o amor por alguém.
Provavelmente este post terá uma continuação pois não quero me alongar muito pra não ficar chato.
Hoje em dia infelizmente vemos muitas meninas, muitas mesmo (quem frequenta grupos de relacionamentos sabe do que estou falando) que mal conhecem alguém do lado dos arábias e começa a tirar foto de véu, fazendo cosplay de Jade e algumas até passam a escrever nos seus murais com o árabe do google tradutor (meninas não façam isso, o tradutor traduz tudo errado, ainda mais se tratando do árabe e assim além de ficar nítido que você não sabe bulhufas nem teu boy magia vai te entender). Junto com isso vem as expressão Inchallah (ou inshallah, insh'allah), mashallah, hamdoulilah e muitas vezes a pessoa não sabe nem o porque está usando, puro modismo pra fazer moral pro boy (as pessoas mais ativas nos grupos e demais administradoras de grupos ou blogs apelidaram carinhosamente esse tipo de "muslima gospel", se ouvirem esse termo por aí já sabem do que se trata).
Meninas coloquem na cabeça de vocês, se vocês não são muçulmanas vocês não tem obrigação nenhuma de virar só porque o "namorado", noivo, marido, amante ou sei lá pediu ou está forçando a barra. Os homens muçulmanos podem se casar com muçulmanas, cristãs ou judias, portanto essa coisa de querer forçar vocês a se converterem não faz o menor sentido. Se eles querem a muçulmana "perfeita" que achem uma que já é assim conforme eles querem, não queiram moldar ninguém.
Obviamente quando estamos nos relacionando com alguém acaba surgindo a curiosidade ou até mesmo a vontade de conhecer e é bom que aconteça isso, é bom que mesmo quem não tem pretensão nenhuma de se converter conheça sim o Islam ainda mais se tiver programando um casamento com um muslim, pois o Islam não é apenas uma religião, é todo um modo de vida e é preciso conhecer pra saber porque o companheiro toma certas atitudes, o que você poderá fazer ou não no lar, o que servir ou não, enfim coisas do dia dia mesmo.
O perigo é quando a pessoa fica nessa de só adotar o que lhe convém pra agradar o outro, principalmente usando véu sem se converter, ou forçando esses termos religiosos em todos os diálogos e o pior, dizer que se converteu sem partir do coração.
O Islam é uma religião linda, especial, porém como eu disse, é um modo de vida. Tem coisas que se você não faz de coração você não aguenta, com o tempo aquilo vai te consumir e você vai acabar jogando a culpa no marido,e o pior, quem muito faz teatro de ser a "esposa muçulmana perfeita" só pra agradar o marido, quando ele descobre que nunca foi de verdade isso tem consequências, que pode levar até mesmo ao divórcio.
Então não sei até que ponto é válido uma pessoa se sacrificar apenas para agradar a outra, será que isso é amor? Se fosse o contrário, será que eles mudariam? Porque nós vemos tantas meninas se convertendo apenas por amor e não vemos o contrário? Não tem casos de muçulmanos se tornando cristãos porque amaram uma brasileira...e aí? Será que tem coisa errada?
Lembrando que não estou falando de quem foi estudar, se informar e acabou abraçando o Islam de coração seja devido a um relacionamento ou não, e sim de quem se "converte" hoje porque está com um muçulmano mas se amanhã a relação terminar também termina os "inchallah's" os textões em árabe, o véu, a maquiagem made in o clone...acaba tudo e a vida segue normal.
Parece loucura né? Mas não é, a internet e principalmente os grupos estão lotados de perfis assim....espero sinceramente que alguma dessas centenas de conversões por amor ao "namorado" vinguem realmente e que com o tempo se torne uma conversão sincera, sabendo e tendo a consciência que com esse tipo de coisa não se brinca.
Enfim, encerrando o post por aqui, mas provavelmente terá uma continuação....antes disso, fofoca rs Quem está nos grupos (principalmente no das mulheres) já sabe mas lá no começo falei de Ramadan (se possível farei um post especial sobre ele também) e este ano é o meu sétimo ano de Islam, 7 anos de jejum e desses eu apenas não fiz 1 que foi quando o Hamza era muito pequenininho e precisava muito de mim, do leite, enfim....acontece que este ano também não poderei jejuar.
Por que? Porque está a caminho mais um membro pra família e por eu estar ainda no começo (3 meses) da gravidez eu não tive liberação da obstetra. Enfim, fico triste mas é por um motivo lindo.
Ainda não sei o que é mas está com muita saúde e tudo bem graças a Deus.

Então é isso espero que gostem, comentem, se tiverem dúvidas fiquem a vontade..e até o próximo post.


7 de abr de 2016

Relação com a família (pós casamento)

Boa tarde, fiz uma enquete nos grupo sobre sugestões de posts e decidi escolher um dos temas (os outros farei logo na sequência) que foi a convivência com a família dos maridos, o convívio, comunicação etc.
Então assim, vou relatar aqui o que aconteceu comigo e algumas histórias que presenciei, nada é regra como aliás a maioria das coisas que envolvem pessoas.
Vamos lá....eu não tive contato NENHUM com a família do meu marido antes de casar. Claro que nas conversas falávamos deles, eu sabia os nomes, as personalidades, fatos que envolviam a família e etc porém nunca falei com ninguém, e depois do casamento fiquei sabendo que nem a família sabia muito sobre mim a não ser que eu era brasileira e minha cunhada fuçando no PC encontrou várias fotos minhas. Fora isso nunca tiveram uma real posição de em que pé nossa história estava.
Oficialmente eles souberam sobre mim poucos dias antes de eu desembarcar na Tunísia e apesar de se tratar de uma família "tradicional" onde tanto a cultura como a religião são levadas bem a sério, eles não se opuseram nem colocaram qualquer empecilho.
Nos casamos e eu ainda fiquei quase 2 meses na Tunísia, pra depois ir pra Constantine. Nesse período também não tive contato com ninguém. Só os conheci quando fomos pra Argélia e a recepção foi a melhor possível.
Chegamos em Constantine a noite e quando chegamos a família (quase) toda nos esperava..a mãe, o pai, as cunhadas com seus maridos e filhos, os cunhados...muita gente rs. Confesso que me senti meio numa jaula no zoológico rs porém eles (como sempre) fizeram de tudo pra me deixar super a vontade.
Claro que respondi muitas perguntas sobre mim, sobre o Brasil, sobre o que estava achando de lá, assuntos normais.
Para a comunicação eu já falava o francês quando fui, então sempre consegui me comunicar com a maioria das pessoas sem nenhum problema. Na família a única que não fala francês e apenas o árabe é minha sogra, mas com o tempo criamos um método exclusivo de nos comunicarmos e tá tudo certo rs.
Nós nos instalamos e ficamos morando todo o tempo na casa da minha cunhada, pois a casa é maior e com menos gente e sempre eles deixaram claro que aquela era minha casa também, sempre super preocupados se eu estava me alimentando bem, me sentindo bem, se meu marido me levava pra passear e tudo mais. Minha sogra e minhas cunhadas sempre iam nos visitar e um cunhado meu casado mora perto também então sempre íamos até a casa dele, e assim estávamos sempre em contato.
Nunca nos faltou assunto, pois eles sempre queria saber muito sobre o Brasil, a cultura, a comida, sobre minha família e etc e eu também aprendi muito lá, sobre os costumes, a cultura, as tradições, aprendi a culinária....uma troca rica e ótima que me ajudou e me ajuda muito a entender melhor certas coisas do comportamento do meu marido.
Tive a oportunidade de conhecer a família toda (toooooda) em uma festa de família e todos foram super simpáticos, não senti hostilidade em momento algum, nem um tratamento diferente por ser estrangeira, pelo contrário, todos sempre dispostos a me mostrar e explicar tudo.
Quando voltamos para o Brasil a despedida foi bem triste pois querendo ou não tivemos uma convivência diária de quase 1 ano. Mas de certa forma conseguimos manter isso mesmo de longe. Todos os fins de semana meu marido fala com a família no skype, eu converso bastante com 1 dos cunhados e com as cunhadas pelo menos 1/ 2 vezes por semana pelo face e assim vamos mantendo a convivência mesmo de longe.
Conheço muitos casos assim como o meu e na verdade das que eu conheço são maioria. São poucos os casos que já ouvi falar das meninas serem mal tratadas pela família...porém acontece. De não serem aceitas, da família não aceitar estrangeiras etc etc etc etc...porém esses casos na maioria nem evoluem para um casamento. Quando evoluem é quando o marido larga tudo lá e vem pra cá, ou seja, convivência 0 da esposa com a família.
Não querendo tirar as esperanças de ninguém mas a chance de dar certo a mulher morar lá sem que a família do marido a aceite é 0,0000000001%, mesmo que eles vão morar em outra casa pois lá TUDO gira em torno da família.
Não obrigatoriamente você tenha que ter aquele contato com a família durante o relacionamento a distância. Claro que é ótimo, porém não é garantia de nada.
A única coisa que acho que não dá é por exemplo um rapaz de uma família que ele sabe que o pai/ mãe não aceitarão uma estrangeira esconder isso dela e arrastar um relacionamento de meses/anos pra depois chegar e dizer "desculpa mas papai/mamãe não aceitaram" aí não dá né.
Cada um sabe a família que tem. O meu marido não me apresentou antes porque sabia que eles aceitariam, mas e se fosse uma família mais mente fechada? Ia fazer o que? Eu iria pra lá e ele me apresentaria como a amiga brasileira? Não dá né. Então assim, peçam sim um posicionamento dos amados sobre se a família irá aceitar vocês ou não pois muita coisa está em risco.
Enfim, a grosso modo é isso, se tiverem dúvidas sobre algo podem me perguntar nos comentários, e logo logo continuo com os posts com assuntos sugeridos nos grupos.

Até mais :)

5 de abr de 2016

Grupos do Facebook

Bom dia pessoal, ando sumida daqui, vida corrida e muitas novidades vindo por aí. Estou tentando tirar um tempinho pra sentar e escrever um post decente..maaaas enquanto isso, participem dos nossos grupos no facebook, lá estamos postando e comentando ativamente, tirando dúvidas, dando dicas sobre relacionamento, documentação, processo de visto, viagem e etc.

Temos 2 grupos, o misto que é liberado pra argelinos e brasileiras e o grupo das mulheres que é mais restrito, pois optamos em manter lá quem já está numa fase mais avançada do relacionamento.

Enfim, sejam bem vindos, estamos de portas abertas pra tentar ajudar, interagir, conversar, desabafar e tudo mais :)

17 de fev de 2016

Masterchef Argélia

Boa tarde pessoal, e eis que estão abertas as inscrições para o melhor programa culinário do mundo (minha opinião :P) o Masterchef...e sim não é aqui no Brasil com o povo armando barraco, roubando panela um do outro, cozinhando arroz duro e etc, é na Argélia (muito provável o de lá tenha tudo isso tbm com o adicional do povo gritando).
Se você conhece alguém de lá que gosta de cozinhar, que manja dos pratos típicos e tal, diga para correr fazer a inscrição neste link aqui.
E nós ficaremos de olho nas delícias preparadas e assim podemos aprender também um pouquinho mais da culinária de lá. (Provavelmente a emissão será apenas nacional, porém nada que programas específicos de computador para acessar os canais de lá (sobre os programas farei um post especial, meu marido ainda está em fases de testes rs mas já consegue acessar várias coisas da programação argelina) ou até nosso querido youtube não resolvam).
Ficaremos de olho. Bjo



28 de jan de 2016

E quando existem filhos de outro casamento?

Boa tarde pessoal, estou sumida mas estava correndo atrás de algumas informações pra fazer este post.
Dias desses me questionaram sobre como seria morar na Argélia com filhos de um casamento anterior e não soube responder, me informei certinho com o Consul do Brasil na Argélia, e nos serviços da Wilaya (setor de estrangeiros) e o setor responsável da polícia central (obrigada cunhado :), te devo mais essa).
Bom , vamos lá então. Pra brasileira que quer visitar a Argélia levando os filhos brasileiros é bem simples, é só fazer o passaporte da criança e fazer a solicitação de visto de turista. Para embarque é necessário autorização do pai ou outro responsável da criança.
Se a intenção é morar lá as coisas ficam um pouquinho mais complicadas. A criança pode entrar sem problemas na Argélia com o visto de turista e esse visto pode ser prorrogado por até 3x. Na verdade esse é o mesmo procedimento para a mulher que vai na Argélia com a intenção de morar.
Após isso que se diferencia, pois a esposa após as prorrogações irá realizar o pedido de residência provisório, que vai sendo prorrogado até completar cerca de 2 anos, quando sai a residência definitiva. No caso da criança, ela não tem direito ao pedido de residência de imediato.
Após as 3 prorrogações de visto, o menor precisa sair do país e então a mãe e o marido argelino entrarem com as providências legais. Ao contrário do que acontece em alguns países, a criança não adquire o direito de residência automaticamente quando a mãe fica apta a realizar o pedido, pois neste quesito a Argélia segue a linha dos outros países de maioria islâmica. O que complica também um pouco as coisas é a questão cultural, pois na Argélia (não todas, mas grande parte) as mulheres que querem refazer a vida após divórcio ou viuvez "abrem mão dos filhos", ou seja elas não os levam para a nova casa com o novo marido. Os filhos ficam sob responsabilidade dos pais da mulher, ou caso eles não possam, dos pais do pai da criança. E isso acaba não sendo uma lei, mas reflete muito nas decisões jurídicas tomadas sobre o assunto.
Voltando a criança brasileira, então ela não tem esse direito automático a residência, salvo se a mãe comprovar que é a única pessoa responsável pela criança, pra tanto é necessário fazer uma declaração legal aqui no Brasil informando que a criança não tem parentes (nesse caso, se a criança tiver o pai, os avós ou outro parente de primeiro grau já não é possível) e neste caso em questão de poucos dias se tem a liberação da documentação para o pedido de residência da criança.
Se a criança tem parentes no Brasil, a justiça de lá interpreta que este parentes podem ficar responsáveis pela criança, que ficaria apta a ir para a Argélia até 2x por ano, a cada vez podendo ficar 3 meses.
Quando a mãe consegue a residência definitiva (após cerca de 2 anos) as coisas melhoram e é possível fazer o pedido de reagrupamento familiar, para isso é necessário entrar com pedido judicial também.
Outra alternativa para não esperar esse tempo todo é o argelino adotar a criança, dando a ela assim o direito de permanência, pra isso é necessário também usar as vias legais e apresentar um documento que comprove que o pai da criança ou os parentes de primeiro grau responsáveis (avós, tios, irmãos, etc) estão de acordo. Demora um pouquinho também mas a chance de dar certo é grande.
Enfim, infelizmente a jurisdição lá não colabora muito e pra eles fica subentendido que se uma argelina "abre mão" dos filhos pra casar novamente, porque uma estrangeira não pode fazer o mesmo?
O bom é que existem meios de reverter isso, o problema é só o tempo que isso demora. Então assim, você que tem filhos e pretende se casar e morar lá, se prepare pra enfrentar uma luta chata e demoradinha. E talvez nessa você tenha que ficar longe do teu filho algum tempo até regularizar as coisas, mas é algo que não é definitivo. Pra tudo se dá um jeito, só precisa ter paciência.
Se alguém tiver dúvida pode comentar ou me mandar e-mail que explico mais detalhado tudo, os procedimentos e o passo a passo (a vantagem de ter gente da família dentro desses orgãos é isso rs, porque lá cada um informa uma coisa diferente).

6 de jan de 2016

Grupos facebook

Olá a todos, feliz 2016 atrasado. Estamos com o blog meio parado, porém tratamos de vários assuntos de uma forma mais direta nos nossos grupos do facebook. Ainda não entrou? Bóra lá participar.

Grupo misto: https://www.facebook.com/groups/entreargeliaebrasil/

Grupo exclusivo de mulheres. Nesse grupo optamos por manter apenas as meninas que já estão em fase adiantada de relacionamento, preparando efetivamente viagem ou a papelada pra casar e as que já são casadas: https://www.facebook.com/groups/entreargeliaebrasilmulheres/

Aguardo a visita e participação de vocês lá :)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...