8 de out de 2014

Prestação de contas - parte III (final)

Bom vamos lá continuar a saga Brasil....depois de não receber o apoio do pessoal como ele imaginava (e como eu de certa forma imaginava tbm) começamos a andar com nossas próprias pernas. 
No final de outubro enfim demos entrada no RNE dele, fomos fazer o restante dos documentos e no dia 05 de novembro ele começou a trabalhar. Não é um bom trabalho pelo currículo dele, o salário é horrível (estou usando o "é" pq ele ainda está lá trabalhando) porém no momento que ele chegou sem falar 1 palavra de português foi o que apareceu e agarramos a oportunidade, o que foi bom pois logo em seguida veio o bebê e tudo mais e por mais que o salário seja pouco ele nos ajuda então hamdoulillah (graças a Deus) por tudo.
O emprego surgiu em um ótimo momento pois como eu disse antes meu marido estava se virando sozinho pela cidade o que depois da primeira semana já deixou de ser interessante e ele já não queria mais sair pois ficava perambulando sozinho só pra conhecer a cidade e em razão disso ele se fechou numa conchinha só dele, ficava em casa o dia todo estudando português pela internet e falando com a familia quando conseguia pois minha sogra e meu sogro não saber mexer em computador e dependem do meu cunhado e ele estuda e tal raramente eles conseguiam se falar. E o resultado foi qual? Meu marido quase caiu em depressão. Eu chegava em casa muitas vezes encontrei ele chorando, ele estava extremamente desacreditado e com a moral lá no pé pois não estava conseguindo cumprir com o papel dele de "homem da casa", por isso também agarramos a oportunidade de emprego por mais que seja fora de tudo o que ele já fez na vida.
Junto com o emprego tentamos resgatar nossa força porque aí nessa época já estavamos abalados com a gravidez rs..enfim, começamos a sair juntos, a programar o futuro e etc. Posso dizer que o fato dele começar a trabalhar foi marcante na nossa história aqui no Brasil, pois as coisas mudaram (não que a partir disso os problemas acabaram, mas parece que tinhamos uma motivação para resolvê-los).
Hoje ele ainda continua nesse emprego mas por tempo limitado se Deus quiser, pois está com o português bem melhor e agora também está estudando então conseguir alguma coisa melhor é questão só de tempo e um pouquinho de paciência. 
No geral, a única coisa que ele gostou aqui foi a cidade rs..de resto até hoje ele não engole muito não. Pra encerrar vou listar algumas coisas e fazer algumas observações (baseadas no MEU caso e como sabemos cada caso é um caso, não quer dizer que com o seu vá ser o mesmo. Conheço alguns argelinos que vivem aqui muito bem obrigado apesar desse não ser o caso do meu marido).

*uma coisa extremamente desvantajosa no nosso caso, a língua. Desde que viajei pra Tunísia, casamos, fiquei morando na Argélia nossa comunicação sempre foi em francês, e assim continua...eu simplesmente NÃO CONSIGO falar em português com ele..ele me cobra, minha familia tbm mas simplesmente não consigo. Não é má vontade nem nada mas foi um hábito que criamos e infelizmente ficou, e isso claro retarda o aprendizado de português dele.

PONTOS CRÍTICOS:

- Religião: por mais que o povo brasileiro seja super receptivo etc etc etc dificilmente alguém que viveu em país de maioria muçulmana vá se sentir a vontade aqui e pq? Pare e pense qual empresa/patrão tem um local apropriado ou até mesmo horários e a flexibilidade do funcionário poder parar para se lavar e orar nas orações obrigatórias (que dependendo do horário podem ser 2 ou 3 que a pessoa tem que fazer no trabalho), fora que as pessoas não entendem o porque desta prática ou ainda pedir pra sair toda sexta na hora em qu a oração deve ser feita na mesquita, que tal? rs
No trabalho dele meu marido na maioria das vezes consegue fazer as orações, se lavar e etc mas ainda é escondido e porque os outros funcionários "encobrem" ele. Para se lavar um dia um dos funcionários viu ele lavando o pé na pia (que é o único local que tem pra fazer isso) e fez um escândalo. Se você consegue ter essa pratica 100% parabéns, valorize muito o seu emprego, local de trabalho e chefe, pois eu mesma NUNCA consegui nem um local pra fazer escondido e nem mesmo sentada na minha mesa quietinha.
E essa coisa da religião pega e pega muito, é uma das razões claras para meu marido não curtir morar aqui.
- Alimentação: ainda falando de religião. Se o teu marido, namorado etc for muçulmano que leva as coisas bem a sério isso também será um problema, principalmente quando falarmos a palavra "carne" e porque? Bom você já deve ter ouvido falar em carne halal, alimento halal (se você ainda não conhece ou tem dúvidas clique aqui e aqui). E isso pra uma pessoa que foi criada em um local aonde podia comer de tudo sem se preocupar pode ser muito difícil e em primeiro tempo vai ser você a responsável pelas orientações sendo você muçulmana ou não. Aqui além de termos pouquissimos produtos halal disponíveis facilmente para consumo e mesmo as empresas que são certificadas (clique aqui e aqui para saber quais são) muitas vezes só são certificadas para exportação (meu marido por exemplo não come mesmo se a mãe dele dissesse que pode comer rs) temos o problema de ter muuuitos produtos que contém carne/gordura de porco (coisa que pros muçulmanos é proibido) e não pensem vocês que é fácil, que é só evitar carne de porco e seus derivados porque encontramos gordura de porco em algumas marcas de sorvete, em pães, bolos (quem nunca usou a banha de porco pra fritar alguma coisa ou deixar alguma massa mais "gostosa"?) e TUDO isso é extremamente PROIBIDO para um muçulmano (pensa que é fácil seguir o islam no Brasil? sabe de nada inocente rs) e tudo isso como eu disse acima é TUA responsabilidade, de cuidar do que ele come, de mostrar o que pode e o que não pode. Você pode não orientar? claro que sim, a consciencia é tua. conheço várias pessoas que simplesmente omitiram que a carne não é halal e não tem preocupação nenhuma com isso porque é mais fácil, porque imagina se eu vou ficar escolhendo marca de carne e etc..cada um é cada um e se você vai dormir tranquila sabendo que está prejudicando a pessoa que você ama por puro comodismo ok, sem problemas. 
Para facilitar um pouco nossa vida, nas grandes cidades existem açougues halal, geralmente aberto por algum árabe antigo na cidade que ele mesmo faz o abate da carne e vende, aqui em Curitiba tem um e é essa carne que consumimos, tanto a carne vermelha quanto o frango, e é isso que meu marido come quando vai ao trabalho (eu faço janta e ele leva marmita TODO DIA) pois ele não come nada fora de casa porque não confia em nada.
Claro que ás vezes acontece de sairmos e termos que comer fora, então se estamos no centro da cidade vamos a este mesmo local do açougue onde eles vendem também esfirra, kibe, shawarma e afins, senão optamos pelo peixe/frutos do mar. Quando vamos almoçar na casa de alguém nossa marmitinha de carne vai junto..estranho?pode ser mas acredito que as pessoas já tenham se acostumado.
- Roupas: bom, se você é muçulmana a chance de ter algum problema nesse quesito é pequena, pois você mesma já sabe como se portar e etc porém se você não é aí vamos conversar rs. Conheço certas pessoa que batem na tecla do "eu não vou mudar por ninguém, ele que se adapte", me desculpe mas ele não vai se adaptar neste quesito. Se você não abre mão do shortinho, sainha, decote, roupa justa e curta e sexy provavelmente terá que abror mão do namorado/marido pois sinceramente não conheço 1 muçulmano que se sinta a vontade/fique feliz/tenha orgulho de ter a mulher sendo comida pelos olhos alheios porque isso vai contra a religião dele, contra a cultura, contra aliás tudo que ele acredita e foi criado até hoje então sei que vai ter muita gente dizendo que ele TEM que aceitar, que aqui é Brasil, que ela é brasileira e etc mas posso dizer com toda certeza que talvez quando a coisa tiver no virtual ainda pode ate ser que ele tolere, porém quando a coisa passar pro real a chance disso acontecer é menos de 1%. Isso não quer dizer que você tenha que se vestir como uma muçulmana, usar véu, abaya, burca etc, não, nada disso, mas manere, aumente um pouquinho o comprimento das coisas, a largura também, moderação nunca é demais e é sim possível chegar a um meio termo que não fira nenhum dos dois.
E esteja aberta aos comentários muitas vezes sem noção do seu amado sobre as vestimentas alheias, o meu até hoje não se conforma com a leging e muito menos quando ela é usada por alguém meio avantajada digamos, também não deixa ahcar saia curta imoral, regata decotada também e etc mas com o tempo você se acostuma.

Eu acho que esses são os pontos mais críticos, claro que existem outros detalhes mas o que pesa mais é isso mesmo. vão ter também coisas que variam de país pra país que demoram até eles se acostumarem como leis, coisas bancárias, de previdência, imposto de renda, sistema médico e demais burocracias.

Agora uma coisa que acho que é geral de gringo que chega aqui é começar a amar os feriados e ver no calendário quando é o próximo kkkkk lá na Argélia existem 3 feriados, os 2 Eids e o dia da independência, e só...aqui é o 'paraíso" e meu marido adorou essa história...assim como também adorou comer manga, abacaxi (lá tem mas é muito caro), ficou embasbacado com a quantidade de tipos de banana e se assumiu um 'macaquinho", banana aqui não falta, mamão, abacate (desse ele não gostou), arroz e feijão é uma relação de amor e ódio rs, os preços ele acha tudo caro (tudo mesmo) porém não resiste a uma liquidação rs, enfim são vários detalhesinhos que quando a gente está longe nem imagina e muitas vezes nem pensa mas é bom pensar pra facilitar um pouco a vida de casado e ajudar a chegar no sonhado "felizes para sempre" (se é que isso existe).

E assim com esse texto enorme paguei a minha dívida com vocês, espero que tenham gostado e estamos aceitando sugestões de temas a serem abordados futuramente pelo blog que andava meio paradinho pela correria mas vamos ver se conseguimos retomar o ritmo de antes.

1 de out de 2014

Prestação de contas - parte II

Continuando....estou devendo ainda a parte da adaptação do meu marido, então vamos la.
Chegamos ao Brasil no dia 19 de agosto de 2013, antes de virmos para Curitiba passamos alguns dias no Rio com alguns amigos, ele adorou todo mundo e claro que a cidade era uma novidade pra ele, porém mesmo assim ele achou tudo caro e não quis sair muito rs achou um absurdo o preço dos onibus para que pudessemos ir pra lá e pra cá então acabamos fazendo passeios por Niterói mesmo (onde ficamos hospedados na casa de uma amiga) e só 1 dia ou 2 fomos para o Rio mesmo, nem praia não rolou e ele no último dia já não estava mais gostando tanto assim da cidade. Não lembro quantos dias ficamos mas não foram muitos, acredito que uns 5 no máximo e logo viemos para Curitiba, chegamos tarde da noite e fomos direto dormir. 
No outro dia acordamos cedo e fomos já correr atrás da papelada dele, registrar nosso casamento, ir na Polícia Federl porque pra variar não consegui agendar um horário no site etc, acho que aí que caiu a ficha dele que o ritmo aqui é outro rs entre uma burocracia e outra fui mostrando a cidade pra ele e mostrando os onibus que precisaria pegar, aonde não ir e etc pois em poucos dias eu sabia que ele teria que se virar sozinho. Com o passar dos dias ele foi pegando bem as dicas e quando eu voltei a trabalhar ele não teve problema nenhum para ir e vir sozinho mesmo ainda não falando 1 palavra de português.
Quanto a papelada deu tudo certo porém a Polícia federal daqui é super enrolada e para darmos entrada no RNE demorou mais de 1 mês, o que acarretou em meu marido não ter nem a menor possibilidade de procurar um emprego. Nós procuramos alguns bicos pra ele fazer nesse período mas não apareceu nada. 
Desse período de fim de agosto até dia 4 de setembro fiquei com ele e me empenhei o maximo possivel para que ele pudesse ter autonomia quando estivesse sozinho e no fim das contas percebi que isso foi uma coisa muito importante. Dia 04 comecei a trabalhar e foi a primeira vez em muito tempo que acontecia essa "separação", nos primeiros dias foi meio difícil (mais pra ele do que pra mim) porque afinal ele ainda estava em um local estranho e agora sem ninguém pra acompanhá-lo nos passeios.
Uma das primeiras coisas que ele fez sozinho foi ir a mesquita, e aqui fica não um alerta mas um comentário que talvez possa ajudar aguém. Quando pensamos em mesquita pensamos em uma comunidade (na sua maioria árabe, de estrangeiros ou decendentes) unida e preparada para dar uma mão para quem precisar, porém por favor ninguém pense que o seu estrangeiro chegou vai na mesquita vai fazer amigos e etc, pode até acontecer porém na maioria das vezes essa expectativa nos frustra e mesmo a eles, porque o que acontece é que eles vão, esperam uma boa recepção e isso não acontece e quando acontece a recepção é apenas para saber de onde ele veio, o que faz da vida (resuma-se essa frase em saber se ele veio com grana ou ñ) e porque está aqui e dependendo da resposta dele (que quase sempre vai ser que casou com uma brasileira e que está buscando um trabalho) as portas (e as caras) se fecham. A pequena chance que ele tem que talvez consiga se enturmar é ser da nacionalidade predominante na região...exemplo: aqui em Curitiba a comunidade é formada na sua grande maioria por libaneses, seguida de egípcios, marroquinos, palestinos e agora bastante sírios, ou seja se você é de alguma dessas nacionalidades provavelmente teu compatriota vai tentar pelo menos ser simpático com você e te dar algumas dicas maaaaas voltando a nossa realidade meu marido é argelino e aqui de argelino tem meia dúzia de gato pingado portanto na mesquita ele não recebeu apoio nenhum nem pra conhecer a cidade, nem pro idioma, nem pra não se sentir tão sozinho, nada de nada. 
Uma época ele estava conseguindo carona de um egípcio para ir até a mesquita e diversas vezes meu marido pediu pra ele poder indicar algum trabalho etc (não pediu pra ninguem dar emprego de graça ñ, mas queria uma ajuda pra achar o melhor caminho ou junto aos árabes ou algum lugar que aceitasse ele sem falar a lingua) mas nada, ao contrário dos egípcios que chegaram aqui depois que prontamente foram já encaminhados ou mesmo empregados pelos compatriotas (ñ eram parentes, conhecidos nem nada. Gente "estranha" que tinha acabado de chegar como meu marido). 
Não preciso nem dizer que isso desanimou e muito meu marido, pois lá nos países de origem todo mundo ajuda todo mundo mas parece que quando o "poder" sobe pra cabeça as pessoas esquecem um pouquinho esse princípio e a conclusão que tenho por experiência (claro que podem haver casos diferentes mas essa foi nossa realidade) é que não tragam seu estrangeiro com o pensamento de que o pessoal da mesquita vai ajudar ou que ah eu conheço um árabe e ele vai ajuda, pq o primo da vizinha da minha amiga é árabe vai ajudar...........sinto muito mas não conte com isso porque muitas vezes não vai não..aliás dificilmente vocês vão achar alguém que ajude na adaptação nesse início, portanto força e companheirismo porque nessa fase geralmente será só o casal mesmo pra passar todos os obstáculos.

Continua.....

19 de set de 2014

Prestação de contas - Parte I

Olá pessoal estamos sumidas, podem brigar. Mas hoje estou aqui pra dar uma "prestação de contas" pra vocês afinal prometi posts que acabei não fazendo por falta de tempo/ânimo mas vamos lá. 
Há quase 1 ano atrás eu estava escrevendo este post aqui (clique aqui) e acabei prometendo que iria fazer um post sobre a adaptação do meu marido e acabei não fazendo. Nesse mesmo post contei pra vocês a novidade da minha gravidez e depois disso escrevi por cima sobre o nascimento do Hamza e prometi também um post sobre o parto, então vamos dar continuidade.
Sobre mim: tudo correu bem na gravidez, tirando a parte do parto que realmente foi um PARTO. Hamza nasceu no dia 12/05 uma segunda-feira as 18h e alguns minutos (ñ lembro bem agora). No domingo, dia anterior ao parto, estava me sentindo meio estranha e acabei ficando deitada/dormindo quase o dia todo pensei que fosse pelo cansaço pois no sábado fui sozinha bater perna no centro andei um monte mas enfim comprei a única coisa que ainda faltava que era o protetor de berço. Domingo tudo normal fora essa preguiça mas eis que na madrugada (uma e pouco da manhã) ,levantei para ir ao bwc e a bolsa estourou. Acordei meu marido pra contar e ele desesperado queria correr pro hospital (sabe de nada inocente rs) mas eu disse pra ele dormir pq eu não estava sentindo dor nada. Pra resumir senão vai dar uma novela fui pro hospital umas 4 e pouco da manha (quando as dores começaram a aumentar) e como eu disse ele foi nascer só 6 e pouco da tarde. Sofrimento demais com direito a indução, banho quente e graças a Deus a anestesia pra aliviar um pouco, porém a anestesia durou só em torno de 1h e quando eu tava com 9 de dilatação a dor voltou toda (claro q nada poderia ser fácil rs), depois disso me aplicaram outra anestesia e lascou tudo porque quando enfim cheguei nos 10 de dilatação não sentia absolutamente nada e não sabia nem quando teria que empurrar, então fiquei com uma enfermeira que ficou com a mão na minha barriga e me dizia quando a contração vinha e me dizia quando tinha que fazer força (pra mim foi muito bizarro, tanto a ponto de fazer eu rir no meio desse stress rs) e o parto em si foi digno de novela com direito a bebê "passando da hora", em sofrimento, com os batimentos fracos, 7 médicos na sala, oxigenio e bebê nascendo roxo de tudo e sem chorar..uffa acabou e depois de uns 20 minutos me trouxeram ele que não tinha tanta cara de joelho quanto eu pensei que teria rs enfim não preciso nem dizer que me apaixonei na hora, e hoje 4 meses e 1 semana depois continuo apaixonada e a cada dia mais. Sim ele é briguento, é stressadinho, é mimado mas conquista a todos com o sorriso lindo ou com as brincadeiras (agora ele aprendeu a fazer brrrrrrrr e baba em tudo inclusive em quem esteja perto rs). Estou de férias, a licença ja acabou e logo logo volto ao batente..como será? Não sei. DIFÍCIL com certeza mas necessário. Só estou com alguns problema porque ele não aceita leite artificial de jeito nenhum já tentei umas 5 ou 6 (Nestogeno, todos os tipos de Nan, Aptamil e um outro que esqueci o nome), creches muito caras porque as da prefeitura não pegam no final de ano, enfim, essas são minhas preocupaões no momento,coisas ligadas a maternidade rs as outras coisas aos trancos e barrancos vamos levando. Se alguém tiver alguma dica por favor estou aceitando tudo rs. 
Então é isso está aí o post pendente sobre meu parto e o próximo acho que é o mais esperado sobre a adptação do meu marido, agora após 1 ano e pouquinho da chegada dele..logo logo vou escrever tudo com detalhes rs.
Agora pra finalizar já que o post de hoje foi sobre ele, o marrentinho mais lindo da mamãe vou deixar umas fotinhos com a "evolução" dele nesses 4 meses pra vocês.


11 de ago de 2014

Precisa de visto???

Olá pessoal..passando por aqui super correndo porque realmente ando sem tempo nem pra respirar rs está tudo bem Hamza bem, lindo e dando muito trabalho e minha licença acabando e por isso também o sumiço, ando correndo atrás de um lugar pra deixar ele e até agora nada e tenho um pouco mais de 1 mês pra isso.
Mas enfim vamos ao que interessa..você precisa viajar? Precisa de visto? Precisa de algum serviço de despachante em Brasília e muito mais? Contate a queridissima Amanda Atallah ela vai teajudar e tratar seu caso com muito carinho..o contato pode ser feito via facebook e vários outros meios inclusive o blog http://papodascinco.blogspot.com.br/ então é isso .até mais

10 de jun de 2014

Aulas de francês (por skype)

Boa tarde, como sabem estou de licença maternidade. Resumindo, entediada e sem grana rs por este motivo estou dando aulas de francês pelo skype...segue as informações abaixo



Quem se interessar pode me contatar por email: mokynha2003@yahoo.com.br ou pelo face: https://www.facebook.com/mony.gomes.3

29 de mai de 2014

Copa do Mundo - Argélia

Olá pessoal..voltando aqui após o sumiço pós parto...Hamza nasceu no dia 12/05 muito bem graças a Deus, depois isso merece um post exclusivo pois o parto foi realmente um parto rs
Mas..vamos ao assunto do momento...Copa do Mundo e claro a nossa querida seleção argelina estará presente jogando no grupo H. Os jogos da primeira fase serão em Belo Horizonte, Porto Alegre e Curitiba e esperamos que eles consigam ir além disso apesar de não terem muita tradição em Copas.
Vamos conhecer um pouquinho mais sobre os Fenecs:

A Argélia vai encarar a quarta Copa do Mundo no Brasil. Sorteada no Grupo H, a equipe fará um tour entre o Sudeste e o Sul do Brasil na primeira fase do torneio. Na primeira rodada, o desafio será diante da Bélgica, cabeça de chave do grupo e considerada uma das grandes forças europeias para 2014. A partida será disputada no Mineirão, em Belo Horizonte, no dia 17 de junho. Em seguida, os argelinos descem até Porto Alegre para encarar a Coreia do Sul, no Beira-Rio, no dia 22 de junho. Encerrando a fase de grupos, os argelinos terão pela frente a Rússia, desta vez em Curitiba, no Paraná. A bola rola na Arena da Baixada no dia 26 de junho. Se passar de fase, a Argélia não terá vida fácil. O confronto eliminatório será diante dos classificados no Grupo G, composto por Alemanha, Portugal, Gana e Estados Unidos. 
Passar da fase inicial, de fato, é o grande desafio. Nas outras três participações em Mundiais – 1982, 1986 e 2010 – a equipe não conseguiu chegar às oitavas de final. A Argélia, contudo, pode ser orgulhar de um feito: foi o primeiro país africano a vencer uma partida em uma Copa do Mundo, quando superou a Alemanha Ocidental por 2 x 1 em 1982. Nas Eliminatórias Africanas para 2014, a equipe enfrentou Burkina Faso no mata-mata decisivo: perdeu o primeiro jogo por 3 x 2, mas ganhou em casa por 1 x 0 e selou a classificação.
fonte: http://www.copa2014.gov.br/pt-br/copa/selecoes/argelia
E pra quem não conhece..esse é o Fenec, um bichinho fofo que existe no deserto do Saara e que dá o apelido a seleção argelina....lindo né?

Então é isso pessoal...vamos acompanhar os nossos compatriotas de coração e veremos até onde les verts conseguem chegar..pra quem vier a Curitiba assistir o jogo me dá um toque..eu não vou por causa do bebê mas meu marido e alguns amigos estarão lá firmes e fortes com as bandeiras argelinas em punho então quem sabe numa dessa podemos organizar um encontro.

E pra não deixar todo mundo que me acompanhou até agora no vácuo segue a foto do meu baixinho..ou le poulet (o frango rs) como é chamado carinhosamente (???rsrs) pelo meu marido



6 de mai de 2014

Alice no mundo das maravilhas....oi?????

Bom dia meu povo..passando pra dar notícias, por aqui tudo bem, na reta final da gravidez, faltam só aprox. 14 dias \o/, já estou de licença então vou tentar frequentar esse cantinho aqui mais frequentemente.
Mas o real motivo de estar publicando agora é que estou com medo...sim...muito medo de mensagens e emails que tenho recebido de mulheres que estão se relacionando com argelinos. Não me surpreendo com a quantidade de mulheres, pelo contrário, ótimo que muitas pessoas estejam vivendo isso..MAAAAS..sério gente tem histórias que dão medo , são mulheres que são casadas aqui e que estão largando tudo pra viver esse amor a distancia, mulheres que se envolvem com homens casados de lá, ok cada um sabe de si e não estou aqui pra dar sermão em ninguém mas por favor depois não venham chorar as pitangas nem nos grupos nem por mensagem. Cada um sabe de si e cada um sabe até aonde pode ir e ao mesmo tempo tem que estar bem ciente das consequencias, o problema é que o que já é claro não só pra mim mas pras administradoras de grupos, blogueiras e etc é que mulher carente é uma m****.
Me preocupa seriamente vendo mulheres cegas de amor que não conseguem enxergar o óbvio que está grintando na cara. Temos casos que o cara mente muito bem e que é especialista em enrolar a mulherada pra se dar bem? Óbvio que tem, aliás acho que é o que mais tem mas também tem aqueles que dão todos os sinais e mais um pouco mas a mulher prefere passar por cima disso pq "ah nunca achei alguem que me ame e me respeite como ele", "ele é tão gentil e atencioso comigo" "ele aceita meus 19 filhos sem problemas" "eu estou grávida não sei quem é o pai mas ele disse que sem problemas pq ele vai assumir a criança pq ele me ama" e por aí vai...me desculpem as Alices de plantão mas acorda mulherada.
Juro que quando recebo mensagens assim eu tenho 3 reações: dá vontade de mandar praquele lugar, de xingar e de jogar praga pra que se ferre mesmo, eu leio e releio 10x e não acredito no que leio mas ultimamente minha reação tem sido ignorar pq estou exercitando minha calma e minha paz de espirito (so q ñ rs).
É um saco ficarmos batendo na mesma tecla sempre e sempre ter alguém que cai nessa, que acha que quem alerta é estraga prazer, que estamos tentando destruir o romance, que ah pode dar certo e etc....sim pode dar certo e a chance é de 1 em 1 milhão..boa sorte. Agora me digam, quando uma pessoa manda uma mensagem ou enfim começa a história dizendo ou que o cara é casado lá e vai se separar (hahahaha essa é a melhor de todas...e as trouxas ñ caem nessa com os brasileiros mas com árabes e afins ok), que ela mesma é casada e está pensando em se separar por causa de fulano da conchinchina pq já fala com ele faz 1 mês (oi??) e ele é o amor da vida dela..fora as mães que cogitam em largar os filhos aqui pra correr atrás do amor, mulher que sabe que o cara é comprometido com outra brasileira mas vai arriscar mesmo assim, e outros absurdos que vocês não tem nem noção.
Gente é sério e dá muito medo..portanto mulherada PELO AMOR DE DEUS...sonhem sim, corram atrás da felicidade sim mas por favor sejam coerentes, tomem as precauções que já foram faladas 10000x...se alguém alerta não é pro mal de vocês, sejam humildes, aceitem conselhos e reflitam no que é dito de cabeça e coração aberto porque como já sabemos o coração é burro ao extremo e tem muita mulher por aí cega de um amor que não existe.
Eu não gostaria mas infelizmente sei que muitas pessoas que me mandaram mensagem e que eu vejo nos grupos vão se ferrar e não será por falta de aviso..mas enfim a gente alerta mas as pessoas tem o livre arbítrio.
Chega de sermão, boa sorte pra todas.

25 de jan de 2014

Nem tudo são flores...

Oi pra todo mundo...eu estava pensando e tem tanta gente que cria uma expectativa em torno de um relacionamento "gringo" (seja ele qual for..com europeu, americano, árabe, indiano, japonês.....) que acho q as pessoas perderam a noção da realidade. Ao mesmo tempo que pessoas que não vivem isso acham que a gente habita num conto de fadas. 
Queridas (os)...não nem tudo é lindo, não nem tudo é como nas novelas, não nem tudo é como a gente gostaria que fosse e nem a metade do que as pessoas que estão de fora pensam que é.
Vou falar por mim. Quando eu cheguei na Tunísia em outubro de 2012 já as coisas não foram só o paraíso, claro que num primeiro momento a gente está naquela empolgação de conhecer um ao outro, ao novo país, uma nova cultura etc etc etc...mas aí no meio de tudo isso aparecem problemas burocráticos, problemas com papelada pro casamento, problemas pra conseguir um atendimento decente na embaixada, idas e vindas do meu marido pra Argélia regularizar os papéis dele que nessa encheção de saco acabaram expirando..enfim...depois de mais de 1 mês enfim o casamento, alegria, festa, bolo, henna etc etc..fomos felizes para sempre? Ainda não..começava a saga pelo visto..mas antes disso um acidentezinho básico ainda na Tunísia que nos fez perder em torno de 1 semana e mais vários euros.....vai papéis vem papéis (agora já na Argélia), vai na embaixada, volta da embaixada, leva um papel pedem outro, chamam pra entrevista do FBI, teu marido é tratado como bandido, solicitam mais papéis aí enfim você consegue fazer o bendito pedido do visto (isso em fevereiro de 2013, ou seja, 3 meses depois do casamento)...que bom agora é alívio certo? Errado...o visto mesmo foi sair só final de maio e nesses meses foram vários desentendimentos, várias ameaças de voltar pro Brasil sozinha (sim tenho essa cara de boazinha mas arrumei a mala pelo menos umas 5 vezes pra vir embora rs)...não é fácil, uma nova cultura, as dificuldades de começo de casamento, morar com a família dele, ter deixado situações mal resolvidas no Brasil (poucos sabem mas eu tinha saído de férias só e quando decidir ficar lá e esperar perdi tudo o que tinha aqui...emprego, móveis, roupas, sapatos, etc) então tudo isso pesava e muito. Eu tinha minha vida lá mas ao mesmo tempo também tinha a vida aqui e não estava conseguindo viver nenhuma das duas, isso refletiu e reflete ainda no relacionamento a dois.
Enfim, em agosto chegamos ao Brasil....relaxamos? Claro que não rs..Ficamos uns dias no Rio e logo viemos a Curitiba para ir a luta. Eu tinha alugado uma kitinete quando estávamos lá na Argélia ainda, coisa que obviamente não poderia ter dado certo, e não deu...foram os piores meses da nossa vida desde que casamos, a casa era um muquifo, a dona louca que não nos dava paz, entrava na nossa casa sem permissão e outras coisas mais. Isso tudo junto e misturado com meu marido sem emprego e sem saber falar, eu já trabalhando, a descoberta de estar grávida e gastos e mais gastos com papéis. Se eu fiquei bem? Certamente não e ainda não estou mas enfim, resumindo, hoje as coisas estão um pouco melhores, em novembro meu marido começou a trabalhar, este mês mudamos pra uma casa decente, mas ainda não conseguimos colocar as coisas nos eixos, eu tenho estado bastante estressada por conta da gravidez, meu marido não entende muito (ele acha que me estresso a toa), eu ando também carente e vamos combinar que carinho fora de hora não é o forte do povo de lá (eu acho que ele é frio, ele acha que eu sou grudenta), ele ainda não está conseguindo falar bem português, erro meu confesso porque não tenho a menor paciência de ensinar ele muito menos de falar em português em casa e assim as coisas vão andando a passos de tartaruga. 
O futuro a Deus pertence mas olha que se alguém chegasse pra mim hoje e me desse 2 passagens de ida pra Argélia eu ia na hora rs. As coisas aqui não são tão fáceis quanto eu imaginava que seriam (e isso que sempre fui pé no chão e não fico fantasiando igual várias Alices que vemos por aí).
E a verdade é que me dói mas meu marido não gosta do Brasil. Não gosta do nosso modo de vida, da nossa cultura, das nossas comidas, de nada de nada, ele não reclama de nada mas eu sei que ele está infeliz aqui e isso me dói, porque se ele está aqui é por minha causa. Ele não tem a empolgação geral dos gringos que vem pra cá, ele adora sim a cidade, elogia o trasporte, o urbanismo etc, mas só. Ele saiu de Constantine mas Constantine não saiu dele rs.
O engraçado é ver gente que acha que nós vivemos um lindo conto de fadas, sem problemas, felizes para sempre. O que me deixa feliz é que apesar dos pesares um ajuda o outro. Quando eu estou pra baixo ele tenta me erguer e vice versa..podemos estar na m*** mas estamos um dando força pro outro rs....quem sabe por isso está ainda dando certo, mas pra quem quer se arriscar nessa vibe de casamento com gringo, esteja consciente que nem tudo será fácil e nem tudo será lindo. Desconfie de histórias perfeitas demais (incrivelmente tem gente que adora pintar que vive um sonho quando na realidade esconde um pesadelo).
Bom, sei lá que qualidade esse post te se é um desabafo, um informativo, inutilidade ou tudo isso junto rs mas espero que possa servir pra alguém que está nessa mesma situação (ou que pense em entrar nessa canoa furada..minha filha não faça isso não rs).


P.S: Críticas, dúvidas, sugestões, envio de presentes, passagens, dinheiro em espécie, cheque, uma babá, uma empregada, um emprego novo pro marido, móveis, roupinhas de bebê, fraldas,  professor de português particular na faixa pro marido e demais itens de extrema necessidade por gentileza fiquem á vontade nos comentários rs.