23 de fev de 2017

Não seja essa pessoa

Olá a todo mundo..fico muito feliz em saber que o último post bombou em acessos, foram quase 200 só no primeiro dia e inclusive ele bombou também no grupo misto do facebook, o que nos rendeu uma discução que até antes de ontem foi bem sadia mas sabem né que infelizmente sempre tem aquela pessoa que precisa se destacar no meio da multidão rs enfim, o post de hoje não é sobre esse tipo de pessoa (embora ser uma delas a ponto de se tornar insuportável e incoveniente também é feio pra caramba, então se puder também não seja essa pessoa, simancol é barato e se encontra em qualquer esquina :) ).

Mas meu post hoje é sobre outro tipo de pessoa que ficou bem evidente (infelizmente) com os comentários recebidos no post sobre o casamento..2 tipos na verdade.
O primeiro são as meninas com complexo de fim de feira (acabam se achando a xepa) e confesso que por mais que isso tenha sempre existido agora nos últimos tempos isso está mais em evidência, o que particulamente me acha triste.
Vou explicar. Tem meninas que confundem muito a independência feminina como temos aqui no Brasil, com a mulher que trabalha, que se sustenta, que não depende de ninguém pra se virar e pagar as contas com abrir mão dos seus direitos dentro do casamento e ainda acharem o fato de ganhar presentes ou jóias ou até o próprio dote se deve ao fato da mulher se aproveitadora, oportunista, se vender.
A partir do momento que você se relaciona com um argelino, você querendo ou não as culturas e os costumes vão se fundir então da mesma forma que o argelino vai ter que se adaptar a costumes brasileiros (claro, os que não ferirem a essencia dele) as brasileiras também tem que se adaptar aos dele nos mesmos moldes.
Então assim, na Argélia um homem sabe desde a adolescencia suas "obrigações" como marido, sabe como se desenrola o casamento, sabe sim que o presente pra noiva, o dote e tudo mais faz parte (embora alguns espertões jurem que isso não existe..aham Claudia, senta la (pior é mulher que acredita no papinho))..então assim o porque de uma argelina merecer uma joía ou um vestido ou um sapato, dinheiro ou um grampo de cabelo que seja e uma brasileira não? Estranho né? Mas é exatamente o que essas meninas pensam, algumas inclusive se ofendem pelo fato do cara insistir em dar algo pra ela (vai entender rs).
Ouvimos muito mulheres falando ah mas eu prefiro o amor do que uma jóia, porque eu não vendo meu amor e várias outras frases...gente quando será que elas vão perceber que ganhar algo não é falta de amor, ao contrário? Quando será que vão perceber que na cultura deles isso é praxe, sendo muitas vezes até uma obrigação do homem? E isso sem relação nenhuma com dependencia da mulher ou submissão, nada disso, apenas o marido "valorizando" a esposa.
Enfim...esse é o primeiro tipo de pessoa que eu não gostaria que você fosse pelo simples motivo de que todo mundo deveria ter esse direito, de ser mimada, de ser reconhecida, de receber carinho, e é disso que se trata, não de vender o amor ou de se sentir submissa.

O segundo tipo é um pouco pior que o primeiro rs, porque no fim acaba sendo um mix de coisas. não sei de onde surgiram, de onde vem, do que se alimentam (conheça hoje no Globo Repórter rs) mas sei que tem crescido principalmente nos grupos..é o tipo que duvida de tudo, contesta tudo, tudo o que os outros falam é fantasia e tudo isso sem embasamento nenhum além do famosos diz que me disse.
Porque assim né, se a pessoa conhece o lugar, as pessoas, viveu, ja passou algo parecido na vida a coisa querendo ou não fica mais realista (apesar de ter ouvido num grupo que pesquisar no google e ter ido pra lá ou morado e tal é a mesma coisa rs que em pleno 2017 todo mundo pode conhecer as coisas rs só faltaram dizer que se colocar no google earth vc consegue tocar o solo do lugar com as mãos rs) doa a quem doer convenhamos que existe sim diferenças e isso não é "se achar" ou "humilhar os outros" como falaram muito já.
Nós não temos como afirmar que quem mora lá passa as mesmas coisas de quem nunca foi e pesquisa pela internet e nem que quem vive um relacionamento virtual passa as mesmas coisas de quem está vivendo a realidade do dia dia, me desculpem mas não tem como.
Então por favorzinho, não seja essa pessoa que vai catando pedacinhos de relatos de quem muitas vezes nunca viu na vida pra formar uma opinião concreta..óbvio que sim muuuuuuita coisa você tem sim como saber se pesquisar (fontes confiáveis), se correr atrás, porém muitas coisas infelizmente só vem a tona na realidade, mesmo porque as pessoas são diferentes então a opinião que eu leio de uma pessoa que eu nem conheço pode não ser a mesma que a minha quando eu viver a mesma realizade dela, ah e mais cuidado ainda em ouvir argelinos que vocês conheceram nas redes sociais pois tem muuuitos que acham que somos idiotas e não conhecemos nada de lá.
Então é isso, não seja essas pessoas, porque é triste você se achar menos que os outros, achar que não tem direito a nada, achar que não merece (por mais que não assuma, mas pelo discurso todos percebem) e é feio, muito feio mesmo ser essa pessoa que contesta tudo, que tudo tem um tom de dúvida e pior, que não está disposta a abrir a mente pra realidade. Debater é normal, contestar (com embasamento) é normal e muito saudável mas existem formas e formas de fazer isso.
Tem gente que se ofende pelo fato de a Argélia, um país com economia "pior" que a nossa, com pessoas com rendimentos menores fazerem festas de casamento com tudo o que tem direito ou do marido que não ganha lá tão bem comprar um bracelete ou um colar pra sua esposa, de meninas que não trabalham terem 5,6 ,7 vestidos tradicionais pra festa, tudo isso dói muito pra algumas pessoas (não sei o porque, se alguém souber me conte nos comentários por favor).
Nada mais normal que alguém que desde criança sabe como são as coisas se preparar pra isso, então sim, se um homem quer casar ele sabe que SIM terá que oferecer algo pra noiva, Se na ocasião ele não tem como fazer isso ou não casa ou a familia e os amigos ajudam, ele empresta dinheiro, faz dividas mas se vira e isso não é nada extraordinário.

Então SIM você também tem direito a um mimo e não é feio você aceitar..feio é o noivo achar que por estar com uma gringa não ter obrigação nenhuma (que é o que está acontecendo infelizmente).
E se você duvida de TUDO, menos do habibi que diz que não, não existe festa nem dote, nem presente muito menos ouro pois a Argélia está em crise, te convido a pensar fora da caixinha e pesquisar, tem sites muito confiáveis sobre isso, fóruns, inclusive o site do ministério da cultura argelino onde tem por alto as tradições de cada wilaya (clique aqui) e mais, quem tiver a possibilidade visite a Argélia veja com seus prórpios olhos e viva, viva muito a cultura deles que é linda, difícil pra algumas pessoas aceitarem porém linda e super rica.

Logo logo mais um post sobre as tradições e cultura argelina.

Salam :)

6 comentários:

  1. Gosto muito da culturas dos argeliano queria ter um habibi na minha vida que cuidasse de me eu dele

    ResponderExcluir
  2. Lindo post Mony, disse tudo.

    ResponderExcluir
  3. Quem não gosta de ser mimida? Eu adoroooo e nao vejo submissão nisso, trabalho, tenho carreira, tenho dinheiro.... mas o que faltou do lado argelino foi justamente o mimo... acredito que quem fala isso é uma autonegacao para nao ver que o argelino não vai dar o dote ou presentes que ela teria direito... é mais fácil falar que só quer o amor do que assumir que quer o pacote todo junto... afinal.... a mulher tbm pode dar presentes e mimos sem ferir a masculinidade deles e pq o inverso seria submissão?

    ResponderExcluir
  4. Ana Rita Sacerdote24/02/2017 00:46

    o meu Habibi ,disse que vai me da o dote ,que eu poderia escolher o que eu quisesse .

    ResponderExcluir
  5. Ana Rita Sacerdote24/02/2017 00:49

    como eu não entedia do assunto ,ele me explicou e disse que sabe que aqui no Brasil não existe ,mas que eu ia me casar com um árabe ,que tenho direito e que ele daria para uma que ele a amasse ,imagine para mim .

    ResponderExcluir
  6. Excelente texto!!

    ResponderExcluir